Náutica com Aleixo Belov: o veleiro Fraternidade navegando pela África do Sul


Aleixo Belov Colunista da Let's Go Bahia

Fotos de Leonardo Papini (www.leonardopapini.com.br)

Assim que cheguei à África do Sul, perguntei logo na Durban Marina por meu amigo Gilbert Goor, que conheci em 2001. Depois, ele deu uma volta ao mundo e esteve comigo em Salvador. Por sorte, ele estava lá, morando a bordo do Zazu. Meia hora depois, já estávamos juntos planejando uma viagem pela Savana Africana com passagem pelo Kruger Park. Ele tinha uma Kombi e dois dias depois já estávamos na estrada.


Eu já conhecia aquela região, mas fiquei impressionado com a beleza da paisagem. Montanhas e vales, tudo muito verde, e toda a terra perfeitamente aproveitada para a agricultura; lembrava os campos da Europa. Muita cana, milho, laranja, mamão, nozes e frutas em geral, mas tudo em grande escala. Provavelmente, para exportação.


Quando voltamos pela região montanhosa, encontrei muitas minas para a extração de todo tipo de minério, inclusive os mais nobres como ouro, urânio e diamante. As minas de carvão são intermináveis e, às vezes, a céu aberto, é só cavar e levar. Não deixava dúvida, a África do Sul é uma potência. Possivelmente, o país mais rico e desenvolvido do continente africano. E até Durban parece uma cidade europeia.


O Kruger Park fica a 900 km de Durban, sendo que a sua primeira metade é de terras muito boas para a agricultura, tudo verde. Mas dali em diante começa a Savana, onde as árvores ficam um pouco afastadas umas das outras e cresce um capim que alimenta os elefantes e todo tipo de animais herbívoros.

“A janela de bom tempo foi ótima, parece que a natureza tinha adormecido para deixar a gente passar. Chegamos a Cape Town com o mar liso e vimos o sol nascer e iluminar a Table Mountain”

Os elefantes, muito fortes, andam quebrando as árvores por esporte e as girafas aparam as suas folhas mais novas sem piedade. Fizemos reuniões com crocodilos, hipopótamos, búfalos, impalas, kudu, gnu, zebras, girafas, rinocerontes, cães selvagens, chitas, macacos babuínos, com uma leoa e muitos outros.


Os filhotes de macaco brincavam como humanos. Os elefantes são uma praga, vi bem uns 200 e mais de 100 impalas. Passeavam na beira do caminho tartarugas, galinhas-d’angola e as codornas que nem levantavam voo quando a gente passava.


Passamos quatro dias no Kruger, dormindo cada dia em um camping diferente, mas nem assim vimos tudo, o parque nacional é muito grande. De volta a Durban, comprei mais algumas cartas náuticas e fiz reuniões com vários comandantes experientes sobre a melhor maneira de contornar o Cone Sul da África e chegar a Cape Town.


Todos recomendam esperar por uma janela de bom tempo para começar a viagem, podendo parar em East London, Port Elizabeth ou Mossel Bay, caso uma nova depressão venha ao nosso encontro.


Forte de Mossel Bay

Ali, quando a corrente quente que vem descendo de Moçambique encontra o vento contra, em cima de um banco mais raso em frente ao Cabo das Agulhas ou do Cabo da Boa Esperança, o mar se desespera e cria ondas anormais que podem chegar a 20 metros. Por isso, se uma depressão vem chegando, todos recomendam entrar em um porto a caminho e esperar a depressão passar para só então continuar a viagem.


Saímos de Durban depois que Igor e Ialda chegaram e só precisamos parar em Mossel Bay, cidade linda onde Diogo Cão, Bartolomeu Dias e Vasco da Gama pararam em 1487 para se abastecer de água. No museu, vimos a réplica de sua caravela. Eram bons os navegadores portugueses.


Naquele tempo, não existiam cartas náuticas nem a previsão de tempo e o Cabo da Boa Esperança virava Cabo das Tormentas. Infelizmente, não se fazem mais homens como antes.


Papini e Walter, que fizeram parte da tripulação do Fraternidade, mergulharam em uma gaiola para ver os tubarões-brancos de perto. Chegaram a alisar um deles. A depressão passou e seguimos em frente. A janela de bom tempo foi ótima, parece que a natureza tinha adormecido para deixar a gente passar.


Chegamos a Cape Town com o mar liso e vimos o sol nascer e iluminar a Table Mountain. Não podia pedir mais do que isso. Se melhorasse, estragava. Mas o último sonho não mudou. O sonho é atravessar o Atlântico e chegar em casa. Na chegada, ali no mesmo lugar de onde saí, no segundo Distrito Naval, quem sabe, abraçar todos vocês.

Av. Professor Magalhaes Neto, 1856, sala 603, Caminho das Árvores, Salvador Bahia.

CEP: 41810-011

Telefone:  +55 71 ‭3042-2440 

Nossos Contatos:            comercial@letsgobahia.com.br            financeiro@letsgobahia.com.br               redacao@letsgobahia.com.br 

  • Branco Facebook Ícone

©2019 V2M Editora Ltda.

Timbrado-Baseforte.png